ENTREABRAÇOS...

Como asas de colibri

freneticamente

a natureza inflama

viva, vibra,

“entreabraços”

entumece,

estremece

em pulsante frenesi.

Bocas amordaçada

calam-se

submersas em devaneios,

em convulsões submissas,

dominadas.

Beijos ardentes

proibidos,

causticantes

sentimentos enclausurados

explodem.

Seios palpitantes,

oculto-desnudos

implodem amantes

em transe liberados.

Assim fragilizados

esmorecem

e como asas do cuitelo

em mil pulsações

pairam

eternamente saciados.

ENTRELABRAÇOS...

ENTRELAÇOS...