ETERNA CANÇÃO

Quero me unir às almas puras.

Entre breves reflexões

eu me proponho:

à incessante procura

de toda paz

de que serei capaz.


A minha vida,

longa vivida,

muitas alegrias, traz.

Há tantas belezas

que muitas tristezas

vão ficando para trás.

Deixe que eu cante

este lugar fascinante,

o ar puro, águas tranquilas

que vêm do mato a correr.

Deixe que eu cante

o remanso destas águas

em leito macio aconchegante,

onde flutuam, descansam.

Deixe que eu cante

a brisa, o sono relaxante,

a profunda quietude,

as imagens ardentes,

os dias risonhos,

a Natureza em Deus!

Deixe que eu cante

as noites enluaradas,

as estradas percorridas,

os arroubos da juventude,

os arrebatamentos da vida,

as alegrias dos sonhos meus.