DEPOIMENTO

Durantes 30 anos de minha vida trabalhei como professora do Colégio Gomes Cardim. Por uns dois ou três anos, não me lembro bem, estive diretora. Mas eu me realizava mesmo como professora e como professora de adultos me aposentei.

Minha preferência sempre foi ensinar a aprender. Buscar meios para o nosso crescimento e o aprimoramento cultural das novas gerações.

Sendo professora de crianças maiores eu era feliz. Eu me lembro bem, lá pelos anos de 1956/57, eu era professora de 4ª série e o Colégio Gomes Cardim ainda funcionava em algumas salas anexas ao Colégio Maria Ortiz, que ficava ali atrás do Palácio Anchieta.

As turmas daquele tempo eram muito boas e os alunos eram inteligentes e esforçados. As famílias participavam da educação dos filhos. Eu podia usar a minha criatividade para incentivá-los e desafiá-los, os pais me apoiavam e a resposta dos alunos era quase imediata .

Certa vez propus a eles uma Viagem Imaginária pela Literatura. Através de fotos e periódicos da época que cada um trouxe de casa, apreciamos e selecionamos as melhores. A cidade que nos encantou e escolhemos para estudar através da Viagem Imaginária foi a Salvador, a capital da Bahia.

Naquela época, o material visual que precisava era escasso.

Para conhecer melhor o assunto escolhido e recolher material para nossa pesquisa, fui por minha conta, até Salvador.

A Bahia sempre foi um lugar encantador. Visitei museus, percorri as ladeiras mais famosas e trouxe muitos postais e fotos variadas que consegui reproduzir. Este material foi usado para começar a montar o a segunda parte do projeto.

As fotos e postais foram fixadas em cartazes e expostos em sala de aula para visitação. As outras séries foram convidadas a visitar a exposição e os alunos explicavam em detalhe usando os ensinamentos a fixaram. Todos ficaram ainda mais entusiasmados e orgulhosos.

Com toda esta exploração visual a Viagem começou a tomar forma de processo que eu coordenava com ajuda de algumas lideranças eleitas pelos próprios alunos entre seus colegas.

Fizeram redações, leituras, concursos de desenhos.

Quando notei que estavam motivados passamos para a construção de uma maquete.

A cidade de Salvador apareceu com o Elevador Lacerda, o Pelourinho, a Lagoa Abaeté, e até o Caymmi foi lembrado e sua música foi cantada no encerramento do projeto.


Maria José Menezes é professora aposentada, escritora capixaba e membro da Academia Feminina Espírito-santense de Letras