EU E ELA

Aprecio esta vida cheia de seres e fazeres, angústias, ausências, respostas e muitas cores. E o espírito entre flores, vê a vida pela janela. Da janela do quarto, eu mesmo junto dela. Sinto o sol vindo de mansinho. Eu olho. Visto nuvens e neblinas das verdes folhas e, qual linda moça da janela, eu contemplo. Aprecio a vida , e me perco a sonhar, Em meus sonhos só há flores e a donzela. Não há rosto de criança, nem capelas. São visões vivas, imaginárias e reais Com perfumes e o despertar de pardais.

NADA SEI!

Qual a minha idade, se nem sei mais em qual mundo quero ficar? Hoje nem sei mais qual meu papel. Sou filha, irmã, esposa, mãe... mãe, filha... um dia serei filha novamente? Quem sou eu? Este mundo parece uma orquestra. Lá fora pássaros cantam nas árvores, o vento sussurra entre montanhas e os rios caminham para o mar... Hoje acordei cedo... e, da minha varanda ainda vejo o Convento de Nossa Senhora da Penha. Orei. A chuva fina ainda cai e molha árvores, ruas, telhados, tudo! Os pássaros chegam um, dois, cinco, muitos. Eles querem beber água doce em copos especiais que deixo sempre bem limpinhos para eles. Eis a natureza com seus segredos! Como poeta busco exaltar belezas... Às vezes sonho se

MINHA MÃE

Nos seus momentos de alegria ou amargor, você acalmava, transmitia força e segurança. Traçava novos caminhos com sorriso e amor. Curava as dores e renovava a esperança. Angústias escondidas para me fazer seguir. Sonhos sonhados, pelo prazer de me ver feliz. Fantasias sublimadas para me fazer sorrir... sem nunca desistir desta sua aprendiz. E agora, Mãe! Ao vê-la assim tão ausente, vendo sua fragilidade e, ao vê-la assim, acaricio os riscos em sua face, marcas do nosso tempo . Nem vejo mais o brilho de seus lábios sorridentes! Com palavras sufocadas prometo sinceramente, - Mãe! Eis-me aqui. Eu a abraço e cuido de ti.

EXALTAÇÃO

Foi assim que tudo começou... Um jardim com luzes e flores, leves borboletas coloridas, pétalas de muitas cores e, pássaros celebrando a vida. E assim começa a mais bela história de amor, assim começam as Histórias das Mil e Uma Noites. Era uma vez... Por sobre todas as cabeças, o azul do céu bordado pelo clarão alaranjado do sol. Mil borboletas pintavam de anil todo o azul do firmamento. Sob os pés dos mortais a terra. A Mãe Terra que abriga corações e consciências, estava enfeitada entre pássaros, flores e borboletas. Aquele era um jardim muito lindo, bem cuidado por todos os habitantes que agora se agitavam em preparativos. Todos se enfeitavam. As rosas acariciavam sua pétalas e deixavam

Postagens anteriores

Envie seu email